terça-feira, 23 de outubro de 2012

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Cascavel CR - Diretoria executiva e Conselho serão definidos no dia 8

Indefinição sobre situação no 
Estadual preocupam candidatos
A três dias para a definição do novo grupo que irá comandar o CCR (Cascavel Clube Recreativo) no próximo biênio, a situação da equipe profissional no Campeonato Paranaense de Futebol é a maior preocupação dos interessados em gerir a Serpente.
Isso porque o Tricolor ainda está virtualmente rebaixado à Terceira Divisão do Estadual, uma vez que o Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná ainda não publicou a retificação na qual considera erro material a perda de seis pontos pela escalação de atletas com documentação irregular na Segundona deste ano. 

Com isso, a Federação Paranaense de Futebol ainda não atualizou a tabela da competição e mantém o CCR na penúltima posição da classificação, ou seja, rebaixado.

A entidade máxima do esporte no Estado, entretanto, também não considera ainda o Nacional de Rolândia como vice-campeão e dono de uma vaga na Série Ouro de 2013 – a equipe ganhou a vaga, que era do Cincão, há dois meses, no Superior Tribunal de Justiça Desportiva. 

Esse imbróglio, no entanto, deverá persistir pelo menos até segunda-feira, dia da eleição. “Essa indefinição atrapalha os planos, pois tenho o interesse em tocar o futebol na cidade, mas desde que o time permaneça na Segunda Divisão. Temos um grupo que apoia a ideia e a mudança será geral. Vamos ver como vai ser”, diz o empresário Paulo Mion, que vê como alternativa, caso não assuma o CCR ou o time tenha de disputar a Terceirona, buscar meios legais para iniciar uma nova trajetória no futebol profissional cascavelense
pela ACEA (Associação Cascavelense dos Esportistas Amadores), de seu domínio.

A mesma opinião tem o atual secretário municipal de Esporte e Lazer, Juarez Berté. “Essa indefinição em relação à vaga na Segunda Divisão é uma situação a ser levada em conta, pois se o rebaixamento for confirmado, compensará fazer um time novo”, diz.

Outro ponto que preocupa Berté é o fato de ele não ser conselheiro do Clube, condição sine quanon, hoje, para presidir o Tricolor. Entretanto, a mudança do Estatuto é um dos assuntos que serão tratados na assembleia de segunda-feira. 

Na discussão, a ideia é aumentar o número de conselheiros, excluir os inativos e ter mais
pessoas no grupo daqueles interessados em fortalecer o futebol profissional de Cascavel. 

Matéria - Fábio Donegá (Jornal Hoje).